09/08/2013

Quando o GPS e o telemóvel falham

Paulo Oliveira, Sintra - 2012
1. Evitar atrapalhação ou pânico

2. Onde estamos? Tentar perceber qual a última localização correcta em que esteve e para onde andou desde então, e quanto, para ter uma ideia mínima onde está e como se dirigir ao ponto de chegada ou retornar em segurança. Observação da zona e pontos de referência - durante o dia, locais elevados, sem neblina, ajudará.

2. Movimentação. Para apontar a determinado ponto ou escolher, interceptar e seguir uma trilha, carreira ou estrada, vai ter que se apoiar nos meios básicos tradicionais. Mais uma vez observação dos locais onde passa e pontos de referência que permitam balizar a marcha.

3. Material/Meios básicos. Além de água., comida e outros, obviamente. Falamos aqui essencialmente de orientação, traçar um rumo, quando falha o GPS ou o telemóvel (bateria, sinal de rede, saldo para Internet que suporta os mapas online):


  • Régua - No momento de traçar os pontos, ou medir uma rota, temos que considerar régua utilizada. Procure régua de boa qualidade. Nada daquelas de brindes, que se deformam facilmente com o calor, com marcações e números semi-apagados e que nem sempre são muito rígidas.
  • Lápis/caneta - Utilizar caneta/lápis de ponta fina e de cor apropriada. Uma ponta grossa não lhe permitirá ser preciso, e uma anotação em local ou cor inapropriada poderá cobrir ou atrapalhar numa informação importante no mapa.
  • Bússola - Uma bússola de boa qualidade é indispensável. Bússolas-chaveiro, bússola-caneta e outras similares não são apropriadas para navegação. Procure uma bússola com base de acrílico ou num estojo sólido, que tenha limbo graduado móvel e uma agulha com boa “estabilidade”, ou seja, não deve ficar a tremer a toda a hora. A agulha sofre interferência de outros campos para além do campo magnético terrestre. Portanto, quando for fazer uma leitura à bússola devemos certificar-nos de que não estamos próximos a linha de electricidade, transformadores, ou grandes massas metálicas como carros, portões, grades, ou aparelhos eléctricos, como televisão, computador e aparelhos de som. Mantenha uma boa distância dos mesmos para evitar tal interferência. DISTÂNCIAS MÍNIMAS DE UTILIZAÇÃO DA BÚSSOLA:

  • OBJECTO
    DISTÂNCIA
    linhas de alta tensão
    60 m
    camião
    20 m
    fios telefónicos
    10 m
    arame farpado
    10 m
    carro
    10 m
    machado
    1,5 m
    tacho
    1 m
  • Mapa - A maioria dos mapas que utilizamos - as cartas militares M888 são na escala 1:25.000 [ 1 cm = 250 metros] e datados dos anos 50, 60, ou 80 algumas delas, as mais recentes da 5ª série são de 2008. É difícil por vezes encontrarmos mapas recentes e actualizados. Portanto, não é possível confiar 100% neles. Desconfie de estradas, trilhos, plantações e construções - 'evoluem' mais ao longo do tempo. Mais confiáveis são as marcas de relevo (curvas de nível) e de hidrografia (ribeiros, rios, lagos, mares). Atenção também aos mapas copiados. E aos baixados da net, e ao tamanho final em que foram impressos, que pode não ser o original e traduzir-se em alterações da escala, um centímetro medido com a régua deixa de ser 250 metros! Podem também perder a qualidade do traço ou apresentar pequenas distorções.

  • compilado por Paulo Oliveira, Agosto 2013

    Sem comentários:

    Enviar um comentário